READING

Cuba: simpatia, cores vivas e história

Cuba: simpatia, cores vivas e história

Cadillac rabo de peixe azul e branco divide o asfalto com muitos outros carros, todos antigos.  Ao redor das ruas, construções em estilo colonial, grupos de crianças uniformizadas – guiadas pelas professoras – passeiam de mãos dadas, homens jogam dominó sentados na praça… visitar Cuba é uma viagem além das aparências, impregnada de uma fascinante história, que ainda segue sendo escrita, desde os tainos, habitantes pré-colombianos da ilha, passando pela colonização espanhola, pela influência americana, a revolução e um regime controverso.

Para conhecer a ilha realmente, é preciso deixar-se levar pela mistura estonteante de culturas, cores, ritmos, gente alegre que, por trás de um largo sorriso, é marcada pelas memórias de um passado ainda em curso.

La Habana Vieja

A viagem começa pela capital, Havana, mais especifiamente, por La Habana Vieja, parte antiga da cidade, com edifícios em estilo colonial misturados ao perfume da arquitetura dos anos  1950, tombada como Patrimônio Histórico da Humanidade pela Unesco.

Ali você vai ver o Capitólio, construído em 1929 (inspirado no dos Estados Unidos); a Plaza de Armas, onde se pode folhear ou comprar livros usados e conhecer o Palacio de los Capitanes Generales. Outros pontos que merecem visita são a barroca Catedral de la Virgen María de la Concepción Inmaculada (construída entre 1748 e 1832) e a encantadora Plaza Vieja, cercada de prédios coloniais.

E é na parte antiga de Havana que fica La Bodeguita del Medio, com paredes  rabiscadas por mensagens deixadas pelos clientes habitués como o escritor Ernest Hemingway, responsável pela fama do mojito da casa e pelo daiquiri do bar El Floridita, servido com banana chips. Tome um aperitivo em homenagem ao autor de O velho e o Mar. Depois, você pode provar comida criolla no restaurante Vuelta Abajo. Para um digestivo, visite o Hostal Conde de Villanueva, onde fica o Humidor Bar, para tomar café com rum e, se gostar, fumar um autêntico charuto cubano. Se tiver tempo, entre no Museu de la Revolución, antigo palácio presidencial de Cuba, para ver armas, uniformes, telegramas e várias outras peças da época da revolução.

El Vedado

Bairro mais moderno de Havana, El Vedado tem edifícios que representam bem o modernismo e neoclassicismo. E é nessa área que está a Plaza de la Revolución, uma das maiores do mundo – ela tem 72 mil m2 –, e o prédio do Ministerio del Interior, com as gigantescas imagens de Che Guevara e Camilo Cienfuegos, heróis revolucionários, na fachada. Você pode dar uma volta pela Avenida de los Presidentes (ou Calle G) e, depois, seguir para Miramar, bairro residencial e diplomático, em que o destaque é a Quinta Avenida e suas luxuosas mansões das décadas de 1930, 40 e 50.

De El Vedado pode-se ir de cocotáxi (triciclo com carroceria feita de fibra de coco) para El Morro, pitoresca fortaleza do século 16, tombada pela Unesco. Deixe para o final do dia o passeio por El Malecón, calçadão à beira-mar de Havana que conecta a parte antiga com a nova. Ali, os cubanos (e viajantes) passeiam, paqueram, ao som de músicos de rua, e são, quase sempre, presenteados com um belo por do sol. De noite, se quiser dançar e ouvir boas orquestras tocando ritmos cubanos, vá ao Tropicana: a diversão é garantida.

Vale Viñales

Localizada na Serra dos Órgãos, a região de Vale Viñales, província de Pinar del Río, é tombada como Patrimônio Mundial pela Unesco. Cercada de verde, aldeias rurais e fazendas de tabacos (visite a Veguero), é famosa pelos seus mogotes, extraordinárias formações rochosas que eclodem do solo com um misto de imponência e delicadeza.

Ali, estão o Mural de la Prehistoria (pintura do artista cubano Leovigildo Gonzalez Morillo feita em 1961 em um dos mogotes) e a Cueva del Indio, com caverna com cerca de 300 metros e formações de rochas coloridas, duas atrações. Vá conhecer a encantadora Villa Viñales, pequena e pacata cidade com casinhas coloridas.

Trinidad

Cavalos, carroças, pessoas batendo papo pelas estreitas ruas de Trinidad, Patrimônio Histórico da Humanidade, é o que você vai ver quando estiver lá. Na Plaza Mayor está o Museo Romantico (Palacio Brunet), com mobílias, pinturas e peças decorativas dos séculos 18 e 19. O entorno conserva encantadoras casas coloniais e palácios dos barões do açúcar que viveram nesse período.

Para relaxar, vá ao bar Canchanchara tomar um drinque feito com rum, limão e mel ao som de bandas cubanas. Na Hacienda do barão do açúcar Iznaga, onde está a Torre dos Escravos, é possível saber mais sobre a ligação dos engenhos cubanos com o mercado de escravos – estima-se que, no auge da cana, foram comercializados cerca de 3 mil africanos para trabalhar nas plantações.

Remédios e Santa Clara

Remédios é uma cidade pequenina, sossegada e charmosa, com suas construções da época colonial. Na Plaza Parque Martí, está a bela Igreja de San Juan Bautista de Remedios. Adultos conversam, senhores jogam dominó e as crianças brincam pelo jardim sem pressa. A cerca de 1 hora de Remédios, você pode ver Santa Clara, os restos mortais de Che Guevara estão enterrados lá.

Cienfuegos e Baía dos Porcos

A arquitetura em estilo francês faz com que Cienfuegos mereça uma parada. A cidade é linda. O conjunto de edifícios, declarado Patrimônio Mundial pela Unesco, fica no entorno da bela Plaza José Martín. Conheça o Teatro Terry, onde Caruso, cantor lírico, se apresentou. E vá ao Castillo de Jagua, imponente fortaleza que protegia a cidade contra a pirataria.

Você ainda pode fazer um passeio pela Península Punta Gorda, conhecer o Palacio del Valle,   em estilo mouro, e visitar as típicas vilas com casas de madeira. Dê uma esticada para conhecer a Baía dos Porcos, na Península de Zapata, e ali perto, a Villa Guajimico tem mar perfeito para mergulhar.


Como chegar

A Cubana de Aviación tem voos direitos de São Paulo para Havana, toda quarta e quinta-feira. E a Copa Airlines oferece uma frequência maior de voos, via Cidade do Panamá.

Melhor época

Os meses de janeiro e fevereiro são agradáveis, assim como o período de março a junho. O verão de Cuba começa em julho e pode ser muito quente, similar ao nosso.

*Texto originalmente publicado na edição 57 da revista Host & Travel. Para ler matérias similares, torne-se assinante da revista sem custo algum.

Pin It

RELATED POST

INSTAGRAM
Visite nosso Instagram